Dia Nacional da Pessoa com Esclerose Múltipla

Imagine que o seu sistema imunológico ataca um pilar essencial da saúde do seu corpo. É o que acontece a quem sofre de Esclerose Múltipla, uma doença degenerativa que tem fortes repercussões na qualidade de vida. Existem seis a oito mil pessoas com a doença em Portugal.

A Neurovagos assinala o Dia Nacional da Pessoa com Esclerose Múltipla e desvenda algumas dúvidas em relação a esta doença.

Esclerose Múltipla: O que é?

A Esclerose Múltipla é a desordem desmielinizante mais comum do Sistema Nervoso Central, caracterizada por episódios repetidos de disfunção neurológica com remissão variável.  É uma das causas mais comuns de incapacidade neurológica crónica em adultos jovens, entre os 20 e os 40 anos.

Quais os sintomas?

Os sintomas associados à Esclerose Múltipla são inconstantes, quanto à sua frequência, como gravidade, variando de acordo com o local lesado no Sistema Nervoso Central.

  • Alterações Visuais

Neurite óticaé uma inflamação do nervo ótico, que pode apresentar como sintomas visão turva, visão dupla, perceção anormal das cores e dor ocular.

  • Alterações de Equilíbrio e Coordenação Motora

É o cérebro que controla todos os nossos movimentos. Quando este sofre uma alteração poderá ocorrer uma dificuldade no equilíbrio (cambalear enquanto caminha por exemplo) e/ou de coordenação (agarrar pequenos objetos ou escrever com letra legível).

  • Disartria

São alterações da articulação da fala e da articulação verbal, causados por coordenação imperfeita de estruturas como: faringe, laringe, língua e/ou músculos faciais.

  • Alterações Motoras e Espasticidade

 É o Sistema Nervoso que controla as nossas funções motoras. Se este sistema for lesado, ocorre o aparecimento de alterações motoras, como a perda de força muscular de intensidade, tempo de recuperação variado.
A espasticidade é uma perturbação ao nível do controle muscular caracterizada por músculos tensos ou rígidos e uma incapacidade de controlar os músculos. Pode também apresentar reflexos hiperativos que tendem a ser persistentes e fortes por um longo período de tempo, causando dor.

  • Fadiga

É uma sensação de desgaste, cansaço e/ou falta de energia após um pequeno esforço.

  • Alterações Psicológicas e Cognitivas

Podem surgir problemas de memória, atenção e concentração em doentes com Esclerose Múltipla há algum tempo, dificultando as tarefas/atividades que necessita de realizar no seu dia-a-dia.

Neurovagos Saúde Bem estar Neurologia Neurofisiologia Pediatria

COMO SE FAZ O DIAGNÓSTICO DA ESCLEROSE MÚLTIPLA?

Nas fases iniciais, o diagnóstico é muito difícil, uma vez que os sintomas podem ser muito inconstantes e tendem a desaparecer durante períodos de tempo imprevisíveis.
Não existe nenhum teste laboratorial que seja específico para a esclerose múltipla, sendo a ressonância magnética o exame que permite confirmar a presença da doença.

Qual o tratamento para a esclerose múltipla?

A esclerose múltipla não tem cura. Existem medicamentos que podem somente “modificar” ou retardar a sua evolução, reduzindo a frequência e a gravidade dos surtos e  a ocorrência de zonas lesadas no sistema nervoso.
A escolha do melhor tratamento para cada paciente dependerá sempre de uma avaliação médica.
Numa visão multidisciplinar, o tratamento torna-se mais complexo e engloba diversos outros profissionais, para além do médico, como o terapeuta da fala, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, psicólogo. 

A Equipa da Neurovagos é multidisciplinar e tem especialidades que podem apoiar uma pessoa com Esclerose Múltipla. Pode contar com a Drª Joana Figueiredo – Terapia da Fala, Drª Eleonor Almeida – Terapia Ocupacional e Drª Carla Mouquinho – Psicologia.

Neurovagos, a sua saúde é a nossa prioridade.

Fontes: