fbpx
Neurovagos Saúde Bem estar Neurologia Neurofisiologia Pediatria

Hoje celebra-se o Dia Internacional da Epilepsia e escrevemos este artigo para desmistificar esta doença bem como as principais causas, os principais sintomas e como agir quando presenciamos um ataque epilético.

A Organização Mundial da Saúde define EPILEPSIA como um “transtorno neurológico crónico que atinge pessoas de todas as idades”. A epilepsia afeta mais de 50 milhões de pessoas em todo o mundo. Em Portugal, estima-se que existam cerca de 50 mil pessoas com esta doença. O diagnóstico inclui testes neurológicos, análises sanguíneas, eletroencefalograma, e se necessário alguns exames imagiológicos como a tomografia ou ressonância magnética.

Causas da Epilepsia

A maioria dos casos de epilepsia são de origem desconhecida. Contudo, em alguns pacientes, a causa identificável pode ter origem numa lesão cerebral. Entre alguns dos “gatilhos” mais comuns para o aparecimento da epilepsia estão:

  • falta de oxigénio durante o parto;
  • traumatismos cranianos durante o nascimento ou acidentes na adolescência ou na fase adulta;
  • tumores cerebrais;
  • infeções como a meningite ou a encefalite;
  • acidente vascular cerebral (AVC) ou qualquer outro tipo de danos no cérebro;
  • níveis elevados de sódio ou açúcar no sangue.

PRINCIPAIS SINTOMAS DA EPILEPSIA

As características das crises de epilepsia variam e dependem da zona afetada do cérebro bem como da sua intensidade. Apesar disso, existe uma tendência para que cada doente registe crises semelhantes ao longo da vida apresentando sintomas idênticos. Entre os mais comuns estão:

  • confusão temporária e/ou perda de consciência;
  • movimentos incontroláveis dos membros superiores e inferiores;
  • transtornos a nível dos sentidos (em particular da visão, audição e paladar);
  • perturbações de humor ou de outras funções cognitivas;
  • episódios de medo, ansiedade ou sensação de “déjà vu”.

Caso tenha algum dos sintomas que referimos anteriormente, poderá realizar uma consulta de Neurologia com a Drª Cristina Duque. A Drª Cristina irá ajudá-lo/a a esclarecer qualquer questão adicional bem como prescrever os exames necessários para a deteção da Epilepsia.

O que fazer em caso de crise epilética ?

Mantenha-se calmo e acalme quem esteja a assistir à crise.

Coloque a pessoa de lado, com a cabeça baixa, de modo a que a saliva possa escorrer para fora da boca.

Desaperte a roupa à volta do pescoço.

Ponha algo macio por debaixo da cabeça ou ampare-a com a sua mão, impedindo-a de bater contra objetos ou no chão.

NÃO a tente acordar e Não a force a levantar!

NÃO meta nada na boca da pessoa (nem colher, nem objeto de madeira, nem lenço, nem dedos). NÃO puxe a língua! NÃO dê de beber.

Permaneça junto da pessoa até que ela volte a respirar calmamente e comece a acordar.

Ofereça-se para ajudar no regresso a casa ou a chamar alguém da família. Algumas pessoas acordam confusas e gastarão de encontrar uma pessoa calma e compreensiva, em vez de pânico e gritos.

Se algum dia presenciar um ataque epilético e não se recordar destes passos, contacte sempre o 112!

Neurovagos, a sua saúde é a nossa prioridade!